Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

HISTÓRIA QUE PODERIA SER CONTADA QUASE OITENTA ANOS ANTES DO NASCIMENTO DO POVOADO DE SÃO JOAQUIM

Maria Garcia Ferreira , era bastante jovem quando seu pai comprara a fazenda São Joaquim, em 20 de setembro de 1820, e sua primeira esposa, sua mãe, ainda era viva. Era uma jovem com a cabeça cheia de sonhos e ilusões embora mergulhada naquela região tão deserta de homens e de acontecimentos festivos. Sua imaginação estava sempre vagando pelos imensos campos  de criar e voltada para o belo e jovem Domingos, filho de um amigo de seu pai.  Enquanto seus sonhos não se concretizavam, sua vida entranhava-se cada vez mais naquelas matas virgens, protetoras de um solo fértil, que sumiam de vista. Com  a morte de sua mamãe, seu pai logo arrumou nova esposa. Casou-se com Justina Custódio do Nascimento, também viúva, em 26 de novembro de 1822. No mesmo dia ela também casaria com o seu sonhado e esperado príncipe encantado, Domingos Francisco Borges.  Foram três dias de muita festança. Infelizmente, ela logo perderia o seu marido, ficaram casados apenas três anos. Ficou viúva com dois filhos, Antônio e Jacinta.

   Mais tarde, após um ano de viuvez, casou com seu cunhado Manoel Francisco Borges.  

.  Na fazenda São Joaquim que seu pai comprara, foram feitas muitas benfeitorias.   Várias casas ele mandou construir, todas de madeira roliça e, cobertas de capim.  Construiu também o monjolo, o paiol e um curral cercado de madeiras em pé, tudo construído por seu pai.

    Pouco a pouco foi conhecendo os nossos vizinhos, Joaquim Rodrigues da Costa, o tenente Francisco Antônio Junqueira, João Guedes da Costa e outros.

    Em 1823, seu pai compraria também as terras da vizinha fazenda São Pedro.

    Gostava de relembrar as histórias que seu pai contava nas conversas acontecidas à tardinha quando tudo se aquietava.   Com o passar do tempo, ela começou a atinar quão importante foi a sua família para a história do Sertão do Rio Pardo, já que fora ela uma das primeiras a povoá-lo.   Viu os antigos “pousos”, até então isolados e com pouca gente, tornando-se propriedades agrícolas médias ou de grande porte.  Viu os primeiros entrantes que chegaram quase na mesma ocasião de seu pai. Vieram todos da mesma região do sul de Minas Gerais, abrindo picadas na mata virgem, embrenhando-se em cipoais e espinhos, enfrentando  perigos e doenças desconhecidos.

      Nunca poderia imaginar que passadas algumas décadas, as terras da fazenda de seu pai, acabariam sendo vendidas e ocupadas por meia centena de sitiantes. E mais ainda, que nela surgiria o progressista povoado de São Joaquim, em 1898, no apagar das luzes do século dezenove.     

  

Esboço do mapa da fazenda São Joaquim (Década de 70 )

A cidade de São Joaquim da Barra inserida nas terras da Fazenda São Joaquim.  Bem no centro a VIA ANHANGÜERA . À sua direita o antigo traçado da ESTRADA DE FERRO MOGIANA(substituido pela nossa bela avenida), a partir do Córrego Olaria, onde a 30/05/1994 foi inaugurado o trecho “AVENIDA MOJIANA “ , seguindo aparece o trecho que já havia sido inaugurado em 28/10/1988, com o nome de “AVENIDA ORESTES QUÈRCIA . Em seguida logo após a COHAB Paulo Leonello, receberia seu último nome, “AVENIDA MIGUEL MAUAD “. A esquerda o novo traçado da estrada de ferro FEPASA.                          

O que poucos sabem é que para os funcionários do Correio o trecho logo após a antiga CEAGESP, até perto da “AVENIDA JOSÉ ABDALLA JABUR “, as cartas e encomendas,até há pouco tempo, eram endereçadas para "AVENIDA GETÚLIO VARGAS"                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    


Voltar