Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

PRIMEIRAS POSSES DE TERRAS EM NOSSA REGIÃO

   O quadro fundiário do Sertão do Rio Pardo foi formado por antigos sesmeiros, posseiros e entrantes, no início do século   XVIII.

   Data de 1804 a mais antiga notícia de posse de terras na região situada ao oeste do antigo “Caminho de Goiás”, entre os rios Sapucaí Mirim e o Pardo, ambos afluentes do Rio Grande.        Trata-se da fazenda Boa Vista, onde hoje se localiza o município de  Orlândia.

    A primeira informação de posses dessas terras vem através do entrante Martins Teixeira, vindo de Pihuí. Na verdade quando se fala nas primeiras posses de  terras na nossa região, no sertão do Rio Pardo, está sempre presente o nome da família Junqueira. Faz parte da tradição familiar dessa família  a data de 1812, segundo a qual, o tenente Francisco Antônio Junqueira e seu concunhado João José de Carvalho, teriam chegado às terras da atual fazenda Invernada em 8 de setembro de 1812, vindos do sul de Minas Gerais.

    Na região tomaram posse de aproximadamente 60.000 alqueires. Os Junqueiras, somente em 1832 comprariam terras da fazenda Boa Vista. .

   Os dois concunhados dividiram as suas primeiras posses de terras, ficando a Fazenda Invernada para o tenente Francisco Antônio e a Fazenda Santo Ignácio para João José de Carvalho.     Francisco Antônio faleceu em 30 de abril de 1848. Foi Francisco Marcolino Diniz Junqueira, mais conhecido como “Capitão Chico”, um dos seus seis filhos, que consolidou o território dos Junqueiras no município de São Joaquim da Barra e região.       

   Enquanto isso outros entrantes, também mineiros, adquiriram terras, mais ao norte, à margem direita do rio Sapucaí. Nesta região a mais antiga notícia de compra e venda de terras, data de 15 de outubro de 1820, quando aparece o nome da fazenda São Joaquim, em cujo seio surgiria a nossa cidade.        Na ocasião apareceram também documentos sobre a posse das fazendas vizinhas: Santo Antônio, São Pedro e Cachoeira.

   Ficara assim constituído o quadro fundiário do nosso atual município. Ao norte confrontando com o Rio Sapucaí as fazendas: Santo Antônio, São Joaquim (2500 alqueires, aproximadamente), São Pedro e Cachoeira. 

  Ao sul parte das fazendas dos Junqueiras, da Invernada e Santo Ignácio, ocupando quase a metade do atual município de São Joaquim da Barra.  

   A fazenda São Joaquim após ter sido procedida a sua ação de Divisão e Demarcação, iniciada a 1 de julho de 1878 e terminada em 7 de julho de 1891, ficou pertencendo a 51 sócios.   Entre eles aparece o senhor Francisco Antônio Gouveia pai de Manoel Gouveia de Lima , o Sr. João Baptista da Silveira e Cândido José Carlos, todos eles com muitos descendentes em nossa cidade.

 

 Na atual região administrativa de Franca ,está inserido o Município de Nuporanga, cujo o mapa de 1901 aparece na foto acima com os seus 6 distritos, que em 1890 estendia-se até o Rio Grande: Guaíra –Morro Agudo – Ipuã e São Joaquim da Barra- Orlândia -  Sales Oliveira e Nuporanga . Esta é a região do Sertão do Rio Pardo mais  ligada à história do Município de São Joaquim da Barra, limitada pelos rios Pardo e Sapucaí.

 

 

Vista frontal da sede da fazenda Invernada.O lendário Capitão Chico, Francisco Marcolino Diniz Junqueira, terminou a sua construção em 1887. Levou 10 anos para terminá-la (Foto 1985).

 

Fundos da sede da fazenda Invernada - Foto 1985

           

Vista lateral da sede da fazenda Ivernada.  (Foto 1985)     

Sobradinho da Siá Cardosa, perto da sede fazenda Invernada, antiga casa de morada do Capitão Chico. Seu exterior até o ano de 1985, quando foi tirada a foto,conservava seus antigos traços arquitetônicos.

 Porta da entrada principal da tradicional sede da fazenda Invernada com as iniciais do nome do Capitão Chico.“F.M.D.J.” ( Francisco Marcolino Diniz Junqueira)

Mapa do atual município de São Joaquim da Barra, onde foram colocadas de forma aproximada, a posição das 6 fazendas citadas na crônica acima.

 

                                              


Voltar