Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

IRMÃS SALVATORANAS

Quase todos, em São Joaquim conhecem as religiosas, que aqui residem , as Irmãs Salvatorianas. Elas pertencem à Congregação das Irmãs do Divino Salvador, que existe desde 8 de dezembro 1881, fundada pelo Padre Francisco Maria da Cruz Jordan.    

          Elas estão em nossa cidade desde 1951, quando o prefeito era o Sr. Adolfo Ferrero e, sua esposa dona Rosa  procurava religiosas para trabalharem, em nossa cidade  na área de ensino. No dia 24 de agosto de 1951 chegaram em nossa cidade as duas primeiras irmãs salvatorianas, uma delas a irmã Laura que muitos tratam de Irmã Gema, a outra era a Irmã Jesuína Lopes. Logo iniciaram as matriculas para o Jardim da Infância que funcionaria na esquina em frente ao atual Restaurante Vila Rica.

           Finalmente em 10 de agosto de 1959, com a presença do Arcebispo Metropolitano Dom Luis do Amaral Mousinho, do bispo de Maringá Dom Jayme Coelho, do prefeito Dr. José Ribeiro Fortes, de Roberto Rezende Junqueira e demais autoridades foi realizada a benção das dependências do Educandário Mater Salvatoris que estavam sendo inauguradas.   Nas novas instalações ampliaram seu trabalho de educadoras.

 Elas promoviam festivais que fizeram história. Transcrevemos o relato de um deles, publicado no jornal “ O Bandeirante “ de 31 de agosto de 1952, pela jovem Terezinha Isper.

                            “ FESTIVAL  MATER SALVATORIS “

            "Dona Dulce Blois Duarte foi a minha professora de piano . Naquele tempo agradava-me muito mais vê-la tocar, do que repisar as escalas que me dava como exercício.  É que Dona Dulce aprisionou a poesia nas mãos  e nas tardes de coração vasio, ela, magistralmente enchia a saleta, o meu coração e a rua poeirenta com a sua música bonita.  Naquelas horas a mais matuta das suas alunas eu ( quando havia audição eu era a única que não aparecia), deixava a saleta, esquecia a rua, viajava com as notas e pairava lá longe, no incomensurável. Quando voltava é que era a coisa ! a matuta vinha, também polidamente, feito poesia.  È isto mesmo; tal a força de expressão imprimida às notas por Dona Dulce, que ainda hoje quando fecho os olhos consigo viajar com Chopin, Shumman, Brams, Listz, Mozart.

             Estou pensando porque nestes festivais organizados pelas irmãs Mater Salvatorianas, não nos dão a oportunidade de ouvir Dona Dulce tocar.  Cidades como São Joaquim procuram ampliar o nível intelectual de seus habitantes, utilizando-se para isso , do agradável das audições e festivais, projetando ao mesmo tempo os nomes e os méritos daqueles que como Dona Dulce trazem à vida, beleza,  transvasando suas sensibilidades em sons.  Outro nome que deveria constar destas festividades é a do Dr. Amyres Lencioni dono de uma voz , que se o leitor não sabe, é das belíssimas, cheia de nuances e expressividade .O Dr. Amyres seria sem dúvida, com sua voz e personalidade um “ chamariz”(perdoe-me a palavra ), para o êxito e renda do festival. Há ainda a Maria de Lourdes Falleiros, que desde o tempo do ginásio lá em Orlândia, enchia as nossas noites de internato, com a melodia dos seus gestos, a musicalidade de suas palavras quando declamava:

                        Nirvana , imensidade azul do pensamento ou ainda.

                       A vida manso lago azul algumas vezes.

                       Algumas vezes mar fremente.

              Era a Maria de Lourdes de  olhos boiando nas poesias de Jorge Faleiros, João Salusse, Guilherme de Almeida e Bilac.  Maria de Lourdes acordando com a “finura’ de seus gestos a poesia que ainda dormia na gente. Quem me dera que um festival assim fosse organizado.  Levar-se-ia um piano lá para a Casa Paroquial, vender-se-ia um número enorme de entradas e depois, viajar-se-ia, emocionado, na poesia de duas mãos, de uma voz , de uns gestos..

             Convide-os Irmãs Salvatorianas, tenho certeza que aceitarão, pois são bondosos".       

             Nessa mesma época, um pouco mais tarde, elas estiveram presentes no início da vida da Santa Casa em 1957, com a Irmã Plantila e a Irmã Terezinha sempre incansáveis na procura de amenizar o sofrimento dos doentes.    

            Sua dedicação aos recém nascidos, por exemplo, era comovente. De dia os bebês ficavam com as mães e à noite, por falta de berçário todos eles eram recolhidos em suas clausuras, recebendo durante a noite a assistência necessária. As irmãs faziam de tudo, limpeza, roupa lavada, comida, enfermagem, berçário e relações públicas. Antes haviam dado sua ajuda valiosa ao Asilo São Vicente de Paulo e quando foi inaugurada a Casa da criança (C.E.P.I.M), elas estavam presentes, dando sua contribuição. Interessante que suas atribuições sociais e religiosas vão se diversificando, acompanhando as mudanças que a sociedade sofre.  O prédio Mater Salvatoris, hoje serve de casa de repouso para as irmãs idosas da congregação.

 Irmãs : Filomena, Priscila, Cáritas, e  Adélia, na época ligadas à Santa Casa    

 

 

        Foto de 1960 – Prédio do Educandário Mater Salvatores

 

 

Foto de 1951-Alunos da Jardim da Infância das Irmãs Salvatorianas . As irmãs são : Bernarda (A) - Izabel (B) - Gema (C)-Catarina (D) –Os alunos (1)...???... –(2)Ronaldo Enout Vilella Rosa-(3) José Mário Degiovani-(4) Sérgio Marconi Rossini-(5) Juarez Ferracioli -(6)- Maria Izabel Guimarães Nicolau–(7)Ana Maria Rosa Junqueira– (8) Sheila Suely Bosqueto Salomão–(9)-Aracy Dias Carvalho.-(10)Edvaldo Melon Leonello (11) Antônio Lázaro Zelesnikar -(12)Antônio Luis A.Villela Rosa–(13)Lincoln Mattaraia (14)Reinaldo Consoni-(15)Tereza Cristina Pólito de Souza-(16)Mariana-(17) ...???...(18) ..???... -(19)José Octávio Cardoso Consoni-(20)Carlos Alberto de Lollo Nicolau-(21) Fausto A. Villela Rosa-(22)-Miguel Turaza Buab-(23)Márcio-(24)Lais Palma Patrocínio (25)Noemi Pinhal Carvalho-(26)Mirian Marlene Ribeiro Ferdinando-(27)Sônia Mauad- (28) Maria Lúcia de Lollo Nicolau-(29)Jarbas Falleiros Malheiro-(30)Fernando Vendramini Carvalho-(31) – Célia Melon Rággio-(32)Luci Croscrato Mattaraia-(33)Oswaldo Gaspar (Gato) (34) Ivan Junqueira de Castro-(35)Luci Ribeiro de Campos-(36) Elisabete Guimarães Nicolau (37)...???... –(38)Sônia Maria dos Santos Carvalho-(39)Conceição de Lollo Turazza.

 

 

 

Foto 1959- O Arcebispo Dom Amaral Mousinho e o bispo Dom Coelho da cidade de Maringá, o prefeito Dr. José R.Fortes e o radialista Claudinet Gregoruti, por ocasião do da inauguração do Educandário Mater Salvatoris. Atualmente, em 2010, esse prédio passou a servir de casa de repouso para as irmãs salvatorianas mais idosas.

 

 

Foto de 1960 – Desfile dos alunos do jardim da infância das Irmãs Salvatorianas.. Na FILA -1 -Carlos filho do Sr. Wilson Marcelino -Paulo Consoni e  Wílson Gomes.   FILA -2- Sílvio Mauad – Décio Chavalha Falleiros e Carlos Alberto Gomes - FILA 3  Em frente à Irmã Bernarda o menino Alcino Gomes. Com a bandeira Carmem Villela Rosa. No meio da rua, de chapéu, o Sr. Salvador Lúpoli .   

 

 

 

Dr. Dante – Dr. Juca Procópio- Joaquim Reis – Zezeta Mauad- Padre Sílvio – Dr.Meneguini e esposa.     As irmãs : Anita Guntilde- e Irmã Plantila, comemorando 25 anos de vida devotada a Deus.

 

 

Jubileu da irmã Plantila, com a sua coroa e as irmãs :Guntilde, Anita e Terezinha., toda de branco. No fundo o Tatiu e Dr Dante Chavaglia ( Foto 1957)

 

 

Um grupo de Irmãs Salvatorianas no jubileu da Irmã Plantila.     

 

 

Foto ano 2000 Inauguração da “Unidade Básica de Saúde Irmã Terezinha Gema Dalmolim”-A irmã Terezinha aparece ao lado prefeito dr. Sandrim. Na “COHAB JOÃO PAULO II”

 

 

 

 

 

           

 

 

 

 

 

       

 

 

        

 

               

 

                                     


Voltar