Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

DÉCADA DE 30, DÉCADA DAS REVOLUÇÕES

Com a revolução do Dr. Getúlio Vargas que teria término em 24 de outubro de 1930, iniciava-se uma década  com um Brasil procurando através de lutas armadas conquistar sonhos de liberdade.  Essa “Revolução Libertadora” como foi chamada, em nosso Estado de São Paulo tinha como objetivo acabar com o domínio político do PRP, so mandonismo dos coronéis, com a política conhecida como a do “café com leite”.

       A revolução vitoriosa colocou Getúlio na presidência do Brasil e marcou o término da REPÙBLICA VELHA. A esperança em dias melhores renasceu, o povo alegre e animado saiu as ruas para comemorá-la, foi uma passeata entusiasta,com discursos acalorados.

       Em São Joaquim, na passeata carreganram o caixão do  presidente deposto Washington Luis e o do PRP.

       Na verdade em poucos meses o entusiasmo arrefeceu. Os paulistas começaram a sentir que a politicagem voltara a ser a mesma e que as liberdades políticas começavam a ser cerceadas. 

       Getúlio colocou todo o poder em suas mãos. Os governadores dos Estados, eram interventores, nomeados por ele.

       Para São Paulo nomeou o tenente pernambucano João Alberto. Os paulistas sentiram-se melindrados, pois queriam ter a liberdade de escolher um governador civil e paulista.  Ao mesmo tempo não se conformavam com o governo provisório de Vargas, queriam que fosse promulgada uma nova Constituição.

        Getúlio Dornelles Vargas, como presidente provisório, governou de 1930 até 1934.  O povo paulista em 1932 revoltou-se contra a prepotência de Getúlio Vargas, num movimento cívico cheio de paixão e entusiasmo, lutou de 9 de julho a 28 de setembro. Os paulistas foram derrotados, mas o espírito dessa Revolução Constitucionalista acabou vitoriosa,  e parte de seus objetivos foi alcançada  pois em 16 de julho de 1934 foi promulgada a nova constituição. Getúlio foi eleito presidente pela assembléia constituinte, e como tal governou de 1934 a 1937. Nessa época aflorou o Partido Comunista, que existia clandestinamente desde 1922 e o seu ferrenho adversário o Partido Integralista, fundado pelo escritor Plínio Salgado.

      Em S. Joaquim o chefe dos integralistas era o Dr.Jose Ribeiro Fortes, e nesse período surgiu também o Partido Constitucionalista ( P.C.).

      Esses novos políticos,do partido constitucionalista, em 1935 conseguiram algumas conquistas importantes, a construção da ponte sobre o rio Sapucaí que iria substituir a balsa ali existente; o Grupo Escolar da rua Minas Gerais, o Clube Recreativo de São Joaquim na rua da Estação que passaria a chamar-se 24 de outubro, atual Marechal Deodoro e o famoso coreto do senhor Damásio, que apesar de ter sofrido inúmeras modificações continua até hoje no mesmo lugar.

   Os políticos paulistas estavam animados com as próximas eleições a serem realizadas, pensavam eleger  o engenheiro Armando Sales de Oliveira para a presidência da República. As eleições deveriam realizar-se em 3 de janeiro de 1938, mas Getúlio tinha outros planos. Os brasileiros no dia 10 de novembro de 1937 acordaram com o presidente investido de poderes absolutos, em plena ditadura, no chamado Estado Novo. Getúlio permaneceu como ditador de 1937 a 1945, tendo sido deposto pelas forças armadas. Cinco anos depois voltaria à presidência no braço do povo que lhe deu uma votação espetacular.

No meio o Dr. José Ribeiro Fortes, líder dos Integralistas em S. Joaquim; de calça branca, tendo à sua esquerda o Sr. Antônio Abdo.

 

Dois Voluntários da Revolução Constitucionalista de 1932 : Antônio de Souza ou ( Antônio da Balsa ) e Bilo Carrara.         

 

Foto 1935 – Na primeira fila de homens aparece no meio o padre Eugênio Dias e á sua esquerda o Dr. Fortes e Antônio Guedes Júnor, à direita Antônio Abdo. Lá no alto Alcibíades Cardoso e à sua frente a Mulata do Lino; com uma bolsa na mão. (Turma de simpatizantes do Integralismo)

 

Eneida filha do Sr. José Ignácio Nogueira, as netas do Major Cardoso : Áurea e Angélica e a bisneta Luzia Falleiros Malheiro em passeios domingueiros, na ponte do P.C.,comuns naquela época.              

 

Foto de 1932 – Grupo de jovens voluntários joaquinenses no pátio da Estação da Mogiana, que partiam para as trincheiras.

 

Balsa que existia desde 1919, que seria  desativada com a construção da ponte em 1935

 

Grupo de getulistas no piquenique na Lagoa Feia oferecido para comemorar a vitória da revolução de Vargas e a derrota do P.R.P. EM PÉ :    Nenê Carrara – Quilo Barbanti ( de chapéu )- Antônio Finóchio (de branco) AJOELHADOS : Virgílio de Almeida – Antônio Cavalheiro – Aquiles Vilani – Pedro Chediack – Ernesto Barbanti e Jerônimo Barbosa da Silva. Na inauguração da ponte do P.C.

 

Ponte inaugurada sobre o rio Sapucaí, com muitas festas em 15 de novembro de 1935.  Ficou conhecida como ponte do P.C.(Partido Constitucionalista ) . Ela iria substituir a balsa que ali existia desde 1919.                      

 

No fundo da Casa Souza, perto da farmacia falleiros, uma turma de jetulistas preparando o caixão do Washinjton Luiz.

                                                                                          

 

 

 

                                                                                                     

                                                                                                                                                                  

 

 

                  

 

 

                           


Voltar