Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

O ENSINO EM SÃO JOAQUIM, NO SEU INÍCIO DE VIDA

Esse novo povoado que nascia no Sertão do Rio Pardo, no alvorecer do século XX, era um aglomerado de homens rústicos e simples, homens embrutecidos e autoritários se mesclando a homens pacatos e pacíficos. Nessa mistura tão heterogênea, poucos manejavam com desenvoltura a palavra e as letras.

   Nesse início de vida quatro nomes se destacaram como professores leigos: Eduardo Azambuja, Firmiano Nobre, Manoel Gouveia de Lima e Ema Gramani.

   O professor Azambuja pouco tempo residiu em S.Joaquim, aqui morou do final de 1900 até meados de 1902. Segundo uma sua aluna, dona Tereza Consoni Vidal, ele não era um professor muito vocacionado, pois por ser meio boêmio, era pouco dedicado às suas aulas, chegando, muitas vezes  a cochilar sobre os livros, durante as mesmas.

   Firmiano Nobre dava aula para uma dezena de alunos, na sua residência de esquina, no cruzamento das ruas Paraná e Mato Grosso. Entre seus alunos estavam: Quitéria e Higino, filhos de Lucas Garcia; Juca Damásio, filho do sr. Manoel Damásio e Tereza Consoni Vidal, filha de Chico Vidal. Ao ser nomeado escrivão, em 1903, deixou de lecionar.

   Manoel Gouveia de Lima alfabetizou muitos alunos adultos, para que pudessem votar na primeira  eleição de S.Joaquim,em 1903.

   Dona Ema Gramani lecionava nas dependências da farmácia de seu irmão Caetano Gramani, ela alternava o atendimento aos seus fregueses com seus minguados alunos. Muitas vezes os alunos abandonavam as lições  para  ajudá-la na manipulaçâo de pílulas e cápsulas.

   Nos três primeiros ano de sua vida, a educação dos joaquinenses ficou entregue a esses leigos. No final do anos de 1900 a Câmara Municipal de Nuporanga começou a se preocupar com o ensino em seus distritos. Em novembro de 1901 lançou um concurso para quem desejasse lecionar em duas escolas municipais, uma em São Joaquim e a outra em Morro Agudo.

   Antônio Rodrigues foi o primeiro professor municipal e concursado do povoado, aqui chegou em 18 de janeiro de 1901. A primeira escola feminina só começou a funcionar em 1906 e sua professora foi dona Ruth Guarany de Almeida.

   Nuporanga na procura de propagar o ensino em seu município, para os seus seis distritos, começou a encontrar grandes dificuldades, tanto com a parte monetária, como com a ausência dos professores, sempre pedindo licença.

   Começou então a ser solicitada, a partir de 1907, a criação de escolas estaduais, fato que aconteceria somente em 1911. A nossa primeira professora estadual foi Silvana Monteiro de Oliveira. Ela aqui se radicou e contraiu núpcias com o sr. Luiz Barbanti.

.  São Joaquim em 1918 só teria escolas estaduais, elas eram em número de oito.

   Na época havia também muitas escolas particulares..

   O grande sonho dos joaquinenses, era reunir todas essas escolas esparsas pelas ruas da cidade, em um único prédio.

   Tal sonho se realizaria no dia 5 de novembro de 1921, quando adaptou-se um prédio pertencente ao senhor Antônio Mendes de Oliveira, para nele funcionar o nosso primeiro Grupo Escolar.

Durante muitos anos essas escolas particulares, as municipais e as estaduais, ocupavam prédios esparsos pela cidade, com instalações inadequadas. O sonho dos joaquinenses era que elas fossem reunidas num prédio próprio, num Grupo Escolar.  Esse sonho seria realizado em 1921, quando foi instalado o seu primeiro Grupo Escolar, no prédio pertencente ao Sr. Antônio Mendes de Oliveira,que aparece na foto.  Foto de 1990

 

Prof. estadual Dagmar Costa (1816/19) Em cima. À direita. (Entre os alunos está o Rodolfo Prócida)

 

Os primeiros professores leigos do povoado foram, Manoel Gouveia de Lima, Eduardo zambuja, Ema Gramani e Firmiano Nobre. A foto é deste último professor , que seria o nosso primeiro escrivão de Registro Civil.    

 

A primeira professora formada que aqui lecionou; Sylvana Monteiro de Oliveira, formada em 1907, em Guaratinguetá . Casou com o Sr.Luiz Barbanti. Desta união nasceram:Olga, Odonis, Eglantina e Ondina.Durante oito anos ela lecionou para as meninas de nossa cidade. Faleceu em 28 de janeiro de 1919.

 

Foto de 1914- Prof. Francisco Stupello,em sua escola particular. Entre os alunos está o “Tango”, filho do comerciante José Marcelino da Silva . Bem à direita aparece seu irmão José Stupello.

 

 

Foto de 1912- O professor Baraúna Castilho, da Escola Pública Municipal. Entre os alunos está o menino Agostinho de Lollo. O professor Castilho participava com seu violino das sessões musicais que aconteciam no povoado.

 

 

                    


Voltar