Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

USINA DE FORÇA E LUZ

Estava a humanidade entrando no século XX. No longínquo nordeste paulista, pequenos aglomerados de gente, ávidos de serem incluídos num mundo civilizado, que se apresentava tão promissor, esperavam ansiosos os benefícios das grandes descobertas alardeadas pelos europeus e americanos do norte. Os habitantes do município de Nuporanga buscavam então seu lugar nesse ambiente civilizado e promissor, a espera da imprensa (o famoso jornal “ O Estadão “ fora editado em 1891 ), do trem de ferro ( o Barão de Mauá inaugurara no Brasil a primeira via férrea em 1854 ), do telefone ( trazido pelo imperador D.Pedro II, em 1876 ), da luz elétrica ( criada por Thomas Alva Édison,em 1881 ), o cinematógrafo ( Luis Lumiére realizara em 1895 a primeira sessão de cinema ) e do automóvel, que a partir de 1900 começara a ser industrializado.    

   Em São Joaquim o primeiro jornal foi impresso em 1914, o trem de ferro chegou em 1902, o primeiro telefone foi instalado em 1906, o primeiro automóvel circulou em 1910, o primeiro cinematógrafo, o Cine Ideal,em 1911 e a luz elétrica foi instalada em nosso povoado e na vizinha cidade de Orlândia, em 1912.

   Em março de 1909, três engenheiros de uma Empresa de Força e Luz de Ribeirão Preto, liderada pelo engenheiro doutor Flávio Mendonça Uchoa, nas terras compradas do Major Cardoso, na cachoeira da Fervura, no rio Sapucaí, ali iniciaram a construção de uma Usina Hidroelétrica, com a finalidade de levar energia para Ribeirão Preto e municípios limítrofes. 

   As primeiras usinas do interior do Estado de São Paulo surgiram graças ao espírito pioneiro de homens como o engenheiro Dr. Flávio de Mendonça Uchoa, que buscaram promover comodidades a povoados e cidades , dando-lhes luz elétrica para iluminarem suas ruas e praças até então clareadas por lampiões a gás ou querosene.  Estavam mais voltadas ao conforto individual, iluminando as noites brasileiras. Não se pensava na época no uso da eletricidade para fins industriais.

    A usina hidroelétrica do Dr. Flávio de Mendonça Uchoa, construída à margem direita do Rio Sapucaí, em terras adquiridas do Major Cardoso, precisou erguer uma vila para acomodar seus operários , do lado do atual município de São Joaquim da Barra.

   De início ela recebeu o nome de Usina Evangelina, em homenagem à sua esposa.. Sua capacidade era de 5520 K.V.  Por volta de 1930 esse nome foi mudado para “ Usina São Joaquim’, hoje pertencente à CPFL.

      Em 1912 ela começou a gerar energia elétrica, dando inicialmente mais atenção à iluminação pública, das ruas e praças. Posteriormente chegaria às casas particulares. Na nossa região os primeiros edifícios a serem iluminados foram as Estações da Mogiana.

      Antes da inauguração da Usina Evangelina , eram usadas nas casas lamparinas a querosene e pelos mais ricos , principalmente pelos fazendeiros eram utilizados lampiões Belgas . O gás era produzido através da colocação de carbureto em um recipiente, inicialmente do tamanho de uma geladeira atual, substituídas mais tarde por bujões de gás, semelhantes aos de hoje.          

   O senhor Assuero Cardoso em setembro de 1911, mês de seu aniversário, ao inaugurar o “Cine Ideal”, de sua propriedade, em nossa vila, acendeu na porta de frente do mesmo, uma luz elétrica de 200 watts.   Primeira luz elétrica a iluminar uma noite de São Joaquim. Assuero Cardoso, em 1906 instalou o primeiro telefone na cidade para falar com seu pai na fazenda São José.

   Assim no município de Nuporanga e seus seis distritos essas invenções iam chegando vagarosamente, enchendo a todos de esperança em dias futuros mais felizes.

Dr. Uchoa jantando com seus empregados na “Usina Evangelina”.

 

Dr. Flávio Mendonça Uchoa indo de trole para a Usina, com sua família.    

 

Foto 1910- O sr. Flávio de Mendonça Uchoa indo em dois troles para a Usina em construção

 

Foto 1910- Políticos de Ribeirão Preto, na Estação de São Joaquim, que chegaram para visitar a Usina

 

Foto 1910 - Comporta da usina, foto imprópria para as donzelas de então, pois nela aparecem homens desnudos trabalhando.

 

A Família do dr. Uchoa na Usina- 1- Dr.Uchoa - 2- Major Cardoso ao lado meio encoberto - 3- Francisco R. Moreira,administrador, - 4-Alcibíades Cardoso filho do Major - 5 – dona Evangelina esposa do doutor Flávio Mendonça Uchoa. 

 

O famoso Tenente Galinha, temido chefe policial, chefe  de capturas, bem no meio, fardado e fazendo continência.Ele veio à Usina por terem assaltado o sr. Aristides Cardoso que ia levando o dinheiro para o pagamento dos seus operários..

 

 

 

 

                              

    


Voltar