Apoio:

Crônicas e Fotos

de São Joaquim da Barra

CENTRO DA CIDADE EM 1918

No ano de 1918, pouco tempo depois das ruas da cidade terem recebido nome, o engenheiro de Ribeirão Preto, doutor José Tófolli, desenhou um mapa da mesma com suas casas assinaladas. Com o auxílio do sr José Cavalini que por entregar pão por alguns anos, quando menino, foi possível dar o nome dos moradores das casas, no centro da cidade.

    A  numeração começa no canto  direito, na parte superior do mapa, com  a Estação da Mogiana e o seu complexo arquitetônico, Segue no sentido da direita para a esquerda e de cima para baixo.

 

 

1.      Garagem onde pousava o trem para sair no dia seguinte de madrugada (1908).

2.      Casa para funcionários da Mogiana (1908).

3.      Casa do Picoto

4.      Viúva de Antônio Luis da Silva.

5.     

6.      Estação da Mogiana (1902)

7.      Residência dos Chefes de Estação (1908).

8.      Casa de Domingos Palmatoria – matador de aluguel.

9.      Loja Tira Teima, de Antônio Gomes.

10.  Nesta esquina houve o famoso tiroteio do Ricardino.

11.  Residência de Antônio Mendes de Oliveira, mais tarde Grupo Escolar.

12.  Casa comercial de Antônio Mendes de Oliveira.

13.  Hotel Machado (1910)

14.  No local seria construído o armazém do Dr.Gabriel Junqueira Reis.

15.  Hotel Machado (outra dependência – 1910).

16.  Provavelmente aqui morou o Ricardino, matador de aluguel.

17.  Farmácia Figueiredo, antes Farmácia Júlio.

18.  Casa da Porteira Preta, Antônio Curto Domingos.

19.  Casa Estrela, do Sr.Martorano, pai de Nicola Martorano.

20.  Centro Telefônico.

21.  Casa do Lino Barbeiro.

22.  Farmácia Aparecida de Jeronymo Garcia Falleiros, antes de Raul Barbosa.

23.  Casa Salim.

24.  Açougue dos Trindade, depois do Júlio de Lollo.

25.  Casa do Sr.Lino Stafeta.

26.  Escola de Comércio São José (década de 40).

27.  Casa onde morou o Joaquim de Souza na década de 40.

28.  Aqui seria construído o palacete do Sr. Manoel Eduardo Ferreira (1920).

29.  Hotel Raymundo.

30. 

31.  Casa do Benedito Ferreira, casado com Bianca Barbantini.

32.  Casa do Antônio  Finóchio.

33.  Casa Comercial  do Joaquim de Souza

34.  Casa Comercial de Blanco Peres.

35.  Casa do rábula Francisco Stupello.

36.  Casa do Sr.Clemente de Lollo.

37.  Casa do dentista José Ignácio Nogueira .

38.  Aqui iniciou, mais tarde, a construção da casa do Sr.José Ignácio.

39.  Casa do Sr.Lucas Garcia, mais tarde do Sr.Manoel da Silva.

40.  Casa  do Sr.José Marcelino da Silva.

41.  Escritório da Cia. De Força e Luz.

42.  Consultório do Dr. Gabriel Bittencourt.

43.  Casa do Major Cardoso antes do Dr. José Esmeraldo de Oliveira.

44.  Capelinha de São José.

45.  Pensão do Romualdo.

46.  Resistência do Sr. Manoel Damásio.

47.  Solar dos Vilarinho

48.  Casa Paroquial (Padre Vingeli). Nela o padre Eugênio Dias morou de 1925 a 1947.

49.  Cesar  Volpini.

50.  Alfaiataria Felício Gefoni e mais tarde Aquilino Flora.

51.  Sapataria Elite, de Ernesto Barbanti.Padaria do Humberto Dalpino.

52.  Casa Picoto – Cavalini.

53.  Ideal Cinema, de Assuero Cardoso.

54.  Cartório de Aristides Cardoso.

55.  Prédio da Prefeitura e Câmara Municipal.

56.  Casa de José Moysés.

57.  Casa do médico Dr. Antônio de Almeida Prado (1914).

58.  Altar da Jacinta e suas cabras.

59.  Coreto do Sr. Manoel Trindade (1916).

60.  Igreja do Padre Pontes.(1914)

61.  Casa e Loja do Sr. Chico Vidal (1898)

62.  Sobrado do Durval Barbosa (1904)

63.  Serraria do Velho Benzoni.

64.  Casa Comercial de Filício d’Andréa (1904)

65.  Família Kalil (1914)

66.  Casa de Maria Turca (1914)

67.  Casa do Domingos Russo (1914)

68.  Casa do Humberto  Monassi. Açougue Avezum. Casa de Giuseppe Deieno.

69.  Penão do Sétimo Tozo (1918)

70.  Cadeia Pública (1916). Em 1914, essa praça recebeu o nome de 13 de maio.

71. 

72.  Antônio Moyses (mais tarde Antônio Guedes).

73.  Buraco do Velico.

74.  Salão de cabeleileiro do Domingos Prócida (1914)

75.  Tipografia Vitória, de Deodoro de Sá Macedo (1914)

76.  Farmácia São José ou Farmácia do Souza (1904)

77.  Casa Damásio (1896)

78. 

79.  Pensão Marconi

80.  Oficina do José de Barros.

81.  Casa do Manoel Damásio Ribeiro.

82.  Solar dos Vilarinhos

83.  Casa Paroquial (Padre Vingali). De 1925 a 1947, ali morou o Padre Eugênio Dias.

84.   Casa Brasil

85.   Casa Cosmopolita, dos irmãos Pichionni.

86.  Teatro Variedades, de Luiz Barbanti (1916).

87.  João Turaza – Atual Casa Zelesnikar. Alfaiataria Reinaldo.

88.  Casa do curandeiro Capitão Francisco Alvez Ferreira.

Acima foi reproduzida apenas uma parte do mapa abaixo citado, uma região focalizando a estação da Mogiana e as imediações da praça 7 de Setembro.

 

 

O MAPA MAIS ANTIGO DE NOSSA CIDADE (1918)

(Um trabalho do engenheiro de Ribeirão Preto, Dr. José Toffolli )

         Nesse Histórico mapa aparece o contorno do terreno que constituiu o “Patrimônio da cidade de São Joaquim”. Na época apenas 13 ruas tinham nome. Em julho de 1914 o subprefeito Major Cardoso, substituindo provisoriamente o Sr. Alfredo José Nogueira, que se licenciara, apresentou à ilustre edilidade um projeto para a numeração metódica das sepulturas do cemitério e também das casas do perímetro urbano com a nomenclatura das ruas e praças. Às ruas foram dados os nomes de Estados do Brasil, só permanenceu a nomenclatura das ruas do Comércio ( atual rua XV de novembro ) e a rua da Estação (atual rua Marechal Deodoro ). As praças também recebem nome. A praça da capelinha que estava sendo demolida, recebeu o nome de “Praça 7 de Setembro” e, a do Cruzeiro (onde hoje está a nossa Delegacia de Polícia), recebeu o nome de 13 de Maio. Juntamente foi pedida a numeração de todos os veículos.

       As ruas receberam os nomes de: Mato Grosso, Rio de Janeiro, Acre, Minas Gerais, São Paulo, Sergipe, Piauí e Ceará. Perpendicularmente a estas: Pernambuco, da Estação, do Comércio, Paraná, Bahia e Goiás.

        O nome dos prédios do centro da cidade,  foi possível, graças a memória privilegiada do senhor José Cavalini, já que em sua infância percorria as ruas da cidade entregando pão, fabricados pelo seu pai Orlando Cavalini.


Voltar